Entrevistas

DESCOBRIR LISBOA – uma entrevista feita pela revista Lisbonne-idee

 

http://www.lisbonne-idee.pt/p4203-descobrir-lisboa-com-escritora-cristina-carvalho.html

***************************************

Entrevista Antena 2 feita por Luís Caetano – Julho 2017

 

https://www.rtp.pt/play/p1299/e298539/a-ronda-da-noite

*******************************

Entrevista à revista FOCUS SOCIAL – conduzida pela jornalista Marta Vaz

 

http://www.focussocial.eu/entrevista.php?id=77

 

*************************************************************************

 No Casino Figueira, em 27 de Janeiro 2015

https://www.facebook.com/video.php?v=869432596436275&set=vb.166590943387114&type=2&theater

Entrevista para o Diário de Coimbra – em 27 de janeiro de 2015

No Portugal actual, qual é o lugar da poesia e da literatura?

 

Cristina Carvalho – Não sei se é, mas no cenário das artes e da educação desde a infância, devia ter o primeiro lugar. Devia ser muitíssimo considerado, aplaudido e incentivado. As crianças deviam aprender a ler bons textos, bons livros, bons poemas para um dia, em adultos, saberem e quererem ler bons textos, bons livros, bons poemas. Só assim, depois de conhecerem o melhor, teriam, se quisessem, a informação do pior sem causar grandes danos.

Observo, na literatura actual – e não vale a pena separar e colocar a poesia num outro lugar, porque estamos a falar de literatura – muita gente, muitos escritores e muitos poetas de excelência. Os melhores têm, de facto, visibilidade. Os vulgares e os piores, não têm. Nem vale a pena ter. Há bons escritores, há bons poetas, há bons editores, há bons leitores, há muitas livrarias. Somos um país pequeno e esta geração de leitores a que eu pertenço – refiro-me aos nascidos nos anos quarenta ou anos cinquenta do século passado – não é uma geração de grandes leitores. Nessa altura do nosso crescimento e conhecimento, os livros eram poucos e eram caros. Havia pouco de tudo. Hoje há muito de tudo. As populações – a começar pelas crianças, insisto, têm de ser ensinadas a ler bons livros. Porque há muito lixo por aí, muito mesmo!

 

 

– Teve uma infância “de muitos exemplos e poucas palavras”. Do que conhece da infância hoje, em Portugal, inclusivamente através da presença em muitas escolas de norte a sul, que retrato faz?

 

Cristina Carvalho – Repare, os meus contactos nas escolas não são com a infância e sim com o despertar da adolescência, com gente muito nova, mas já entre os 13 e os 16, 17 anos. Devo dizer que as impressões são as melhores! Independentemente do contacto ser estimulante, saudável e enriquecedor para ambas as partes, retiro as melhores conclusões acerca dos jovens. São cordatos, interessados, curiosos, arrebatadores. Estão no auge, nos píncaros do seu mundo que é essa mesma idade! Querem saber tudo e tudo aprendem! Haja boa vontade e compreensão. Tolerância e boa compreensão por parte de todos. E conversas! Muitas conversas! Muitas perguntas! Muitas respostas!

 

– Ser filha de quem é foi uma inspiração ou uma “sombra”?

 

Cristina Carvalho – Inspiração, não sei. Sombra, também não sei. Há muitos escritores filhos de escritores, como há muitos médicos, filhos de médicos, como há muitos advogados, filhos de advogados, como há muitos carpinteiros, filhos de carpinteiros e por aí fora. É natural – digo eu! – que uma criança com a infância que eu tive, filha de quem sou filha, tivesse alguma predisposição, inclinação, mais não seja por mimetismo, para as leituras e a escrita. Acho normal que tenha sido assim. Estranho seria se não fosse! E foi bom! Lá isso foi! Eu gosto!

 

– Qual é actualmente, a Pedra Filosofal de que o mundo precisa?

 

Cristina Carvalho – Tolerância, fraternidade, igualdade, liberdade. Várias pedras filosofais. Não faltam por aí são pedras. E preciosas, quase todas!

 

– É uma mulher de causas sociais. O que é que a indigna?

 

Cristina Carvalho – Indigna-me tudo o que é indigno. Tudo o que se podia dar e se não dá. O alheamento e a indiferença, a riqueza desmedida de uns e a pobreza desmedida de outros, a luz que só ilumina alguns e que devia iluminar toda a gente, a corrupção, a indigência moral, os interesses próprios e tudo, tudo o que vai matando a humanidade. A estupidez ao serviço dos povos com suas consequências.

 

– Como criadora, e mulher de liberdade, como assiste ao que se está a passar na Europa e no mundo?

 

Cristina Carvalho – Com terror e uma imensa sensação de impotência. Espertalhões por todo o lado. Nem sei…

 

– A emigração é uma realidade que não lhe é desconhecida, até como mãe. Vê-a como uma oportunidade ou um desperdício nacional?

 

Cristina Carvalho – A pergunta é muito oportuna, realmente! Vou responder-lhe: dos meus três filhos, só a mais velha é que está na Europa a trabalhar. E está há muitos anos por livre iniciativa e vontade. Não faz parte da onda de emigrantes à força destes últimos tempos. Os outros dois trabalham em Portugal. Mas não conheço uma única família – e conheço muitas – que não tenha, pelo menos, um filho a trabalhar no estrangeiro. Com muito boas habilitações ou poucas habilitações lá tiveram de emigrar. A situação que se vive, neste aspecto (e em outros) é impressionante, impensável! Porque, uma coisa é sair porque quer sair; outra situação é não ter outro remédio! E isso é insuportável! Para quem sai e para quem se vê forçado a deixar sair, neste caso, as famílias. Quer dizer, anda uma pessoa a estudar, a lutar, a estudar, a “treinar-se” para um ofício, seja ele qual for, e chega ao fim do período de aprendizagem, gastou-se um dinheirão – porque isto também é realidade e faz parte da vida, o dinheiro que se gasta – e bumba! Agora, tens de emigrar porque não tens lugar aqui! Emigrantes letrados e de altas classificações ao serviço de outras gentes? Está bem! Pondo de parte sentimentalismos, se calhar está bem! Enfim…

 

– Dos seus livros, qual o que mais a tocou? E aos seus leitores?

 

Cristina Carvalho – Tocam-me todos. Embrenho-me na sua escrita até me estafar por completo. São todos tão diferentes! Não sei o que lhe diga! E os meus leitores? Eu acho que os meus leitores gostam do que escrevo, senão não eram meus leitores, ou seja, eu própria, enquanto leitora de alguém, de algum escritor, leio esse escritor sempre com muito interesse. Posso gostar mais de um certo livro, mas no geral gosto muito de todos. Uma pessoa habitua-se a gostar de um escritor por várias razões. Essas razões são as que cada um sente e sabe.

 

 

– O que é que lhe falta escrever ? 

 

Cristina Carvalho – Eu não faço ideia! Não tenho planos! Não tenho nada pensado! Só sei que gosto de escrever e que tenciono continuar a escrever, O quê, não sei. Eu nem sei nada de nada quando começo a escrever um livro, quanto mais! É claro que sei o que estou a escrever agora, mas o que vou escrever no futuro, não faço a menor ideia. Nem quero fazer!

 

À VOLTA DOS LIVROS com Ana Daniela Soares – entrevista

 

 

Entrevista para a revista FOCUS SOCIAL feita pela jornalista Marta Vaz em Março de 2014

Saíu on-line no dia 1 de Julho 2014 e vai sair, brevemente, em papel

 

http://www.focussocial.eu/entrevista.php?id=77

******************************************************

Sobre “Quatro Cantos do Mundo”

 

Entrevista feita em directo da Feira do Livro de Lisboa em 14 de Junho 2014 por Luís Caetano para o programa “A Força das Coisas” – Antena 2

 

http://www.rtp.pt/play/p321/e157703/a-forca-das-coisas

 

 

**********************************************

http://www.rtp.pt/play/p312/e128882/a-volta-dos-livros – Sobre ANA DE LONDRES – Outubro de 2013

 

************************************************************************

Conversas no Correntes D’Escritas – 2013

http://www.rtp.pt/play/p321/e133431/a-forca-das-coisas

**************************************************

Vídeo do lançamento de “ANA DE LONDRES” a 27 de Setembro 2013

http://youtu.be/i1UHQ_BcMZ4

*********************************************

Sobre “ANA DE LONDRES”

Entrevista na Antena 1, no programa À Volta dos Livros de Ana Daniela Soares

***************************************************

Entrevista Antena 1, 11 de Março 2013, no programa À Volta dos Livros de Ana Daniela Soares

http://www.rtp.pt/programa/radio/p2499/c110506

**************************************************

Entrevista a Luís Caetano no programa “A Força Das Coisas” – Antena 2 em Fevereiro de 2013

http://www.rtp.pt/programa/radio/p1140/c108278

TVI 24, programa LIVRARIA IDEAL no dia 6 de Outubro 2011

http://www.tvi24.iol.pt/pesquisa/videos/livraria+ideal/livraria-ideal-06-out-11/53f4c197300428fec6f8f5e6/5

***************

http://www.tvi24.iol.pt/programa/3494/40

*****************************************ENTREVISTA  POR ANA SOUSA DIAS NA REVISTA PÚBLICA DE 22 DE AGOSTO DE 2010

VER ENTREVISTA EM PDF 

 

********************************************************************

Sobre MARGINAL – LER + LER MELHOR com Teresa Sampaio

 

Sobre A Casa das Auroras

Entrevista ao programa Diário Câmara Clara da RTP 2, Maio de 2011

Entrevista ao programa Ler + Ler Melhor, RTPN, Maio de 2011

Entrevista a Luís Caetano no programa A Força das Coisas, na Antena 2 ( Maio 2011)

http://tv1.rtp.pt/multimediahtml/progAudio.php?prog=1140

Sobre O Gato de Uppsala

http://gatoduppsala.wordpress.com/entrevista/

http://gatoduppsala.wordpress.com/entrevista-audio/ 

Sobre Nocturno, o romance de Chopin

Programa Ler + Ler Melhor, RTP N, Agosto 2011

http://nocturnoromance.wordpress.com/entrevistas/radio/

ENTREVISTA À STORM MAGAZINE

(Maio de 2010)

O sucesso de “O Gato de Uppsala” ( Ed. Sextante, Lisboa, 2009)fez renovar o entusiasmo e interesse pela obra de Cristina Carvalho, uma autora que tem vindo a desenvolver um estilo de escrita ágil e rico em imagens e conceitos. A publicação subsequente de “Nocturno. O Romance de Chopin” (Ed. Sextante, Lisboa, 2009), cuja importância se tornou ainda mais marcante neste ano de 2010, quando se comemoram os 200 anos do nascimento do compositor polaco – ver artigo nesta mesma edição da Storm-Magazine – veio confirmar os dotes de uma escritora que se destaca no panorama literário português pela sua originalidade, consistência e grande qualidade.

Helena Vasconcelos – Por que razão decidiu começar a escrever? E quando?

Cristina Carvalho – Eu não decidi começar a escrever. Comecei. Assim como comecei a falar ou a andar ou a tomar banho sozinha ou a ir para a escola. Há coisas que se começam a fazer porque em nós, isso é natural e escrever, para mim, foi sempre tão natural como outra coisa qualquer.

HV – Teve alguma vez dificuldade em publicar os seus livros?

CC – Tive.

HV – Algum dos seus livros é autobiográfico? Transpõe para a sua escrita experiências vividas?

CC – Totalmente autobiográficos, não. Agora, que aquilo que os escritores escrevem tem muito de si, do seu fígado, do seu estômago, do seu coração, das suas vísceras em geral, isso tem!

HV – Como foi a sua experiência no JL ( Jornal de Letras)e na revista Egoísta?

CC – Foram experiências. Aconteceram essas oportunidades e eu aproveitei-as. Pequenos contos dos quais já ninguém se lembra… Mas fiquei muito orgulhosa de os ver impressos aí, em tão prestigiadas publicações!

HV – Porque esteve tanto tempo sem escrever romances e/ou contos e porque recomeçou?

CC – A vida não me proporcionou grandes voos, grandes viagens na escrita e vivi sempre com esse imenso desejo de escrever e com a imensa amargura de não ter a tranquilidade necessária para o fazer. Mas também sempre soube que, se não morresse pelo caminho, ainda havia de escrever tudo o que sempre quis. É isso mesmo que estou a fazer agora. E não digo assim: estou a tentar fazer agora. Porque eu não estou a tentar. Eu estou mesmo a escrever romances e histórias, todos os dias, todos os dias da vida.

HV – Qual a influência dos seus pais, ambos escritores – o seu pai mais do que escritor, poeta, professor, cientista?

CC – Longa resposta essa! Mas quem é que não ficaria influenciado crescendo e vivendo a três, numa casa? Pai, mãe e filha? Rómulo de Carvalho/António Gedeão, Natália Nunes e a miúda? A miudita? Não vou aqui contar a minha infância, mas repare, dois adultos que trabalham, que pensam e que escrevem o dia todo. E a miúda? O que é que faz? Lê, aprende a ler cedíssimo, senta-se ao pé do seu pai ao fim da tarde e observa-o obliquamente. Ele sai com ela, a sua filha, mostra-lhe o céu da noite, mostra-lhe e fala-lhe das grandes árvores e das suas folhas e das nervuras das suas folhas, entrega na sua mão pequenina a sua grande mão e ensina-a sem falar. Com a minha mãe era diferente. Não era tão intensa, a comunicação. Mas eu também a observava. Tem que haver qualquer coisa que passa, não é? Seria estranho se não houvesse.

HV – De onde lhe vem o fascínio pelo Norte da Europa? Conte-nos como foi a sua visita à Suécia e o interesse que este País lhe suscitou?

CC – Outra longa resposta! Não posso explicar porque é que gosto do Norte! E não posso explicar porque não sei explicar! Mas gosto! Podia dizer agora uma data de coisas sem interesse nenhum para as pessoas que lerão esta entrevista. Podia dizer que todos os dias penso em certas luzes do ar, do céu, penso num certo azul, penso numa certa cor que não existe no Sul e que esse pensar me faz bem. Penso em certas aves que poisam em certos ramos nevados e em certo chão branco e fofo. Gosto do azul do frio e das labaredas coloridas das auroras boreais. Paisagens e cores que só existem em latitudes setentrionais e que me puxam, me empurram para lá. Porquê, não sei!

HV – Como chegou ao tema de “O Gato de Uppsala”? Fez muita pesquisa

CC -Numa bela tarde de Outubro visitei o Vasa Museet – Museu do Vasa – em Estocolmo, que está num parque incrivelmente bonito com tantas árvores e aquelas cores, sabe?, aqueles amarelos e vermelhos ocres do Outono sueco. Fiquei impressionada com o navio Vasa e com toda aquela história do naufrágio, ali a cem metros da costa, logo no primeiro dia, o dia que seria o da sua primeira orgulhosa viagem. Comecei a remoer, a remoer, a ouvir aquelas vozes que Garcia Lorca dizia que se ouviam e que não valia a pena perceber donde vinham mas que se ouviam mesmo e a história foi-se desenvolvendo sozinha, com um ritmo certo, muito certo, sem percalços nem perturbação de nenhuma espécie. Foi incrível. A história foi nascendo sem a mais pequena complicação. Nunca me tinha acontecido. Pesquisa, sim, fiz alguma por causa da história do barco e da vida dos marinheiros naquele tempo, em 1628.

HV – Como falaria de “O Gato de Uppsala”? Como um romance de iniciação? Como uma metáfora da existência? Como uma viagem necessária para a descoberta de nós próprios?

CC – Sim, falaria dessa história como uma metáfora da existência. Falaria deste romance como garantia da vida dos homens, dos bichos e da Natureza, dando como certa e inequívoca a ligação da Humanidade com a Natureza e só com a Natureza e todo o seu poder, desde o grão de terra ao imponderável espaço celeste.

HV – O facto de Elvis e Agnetta terem sido salvos por um gato pode interpretar-se de que forma?

CC – O Gato é um pretexto em toda a história. Porque as pessoas estão mais habituadas a ver um gato ou um cão como animal de estimação e de companhia. Por mim, podia ser um outro animal desde que fosse amigo e “portátil”, por exemplo, um esquilo, uma coruja… Qualquer animal que possa viver connosco e habituar-se à companhia de seres humanos podia ter desempenhado o mesmo papel que o Gato de Uppsala desempenhou.

HV – Ainda em “O Gato de Uppsala” o que representa o mar e o que representa o grande Vasa, o navio de guerra mandado construir pelo rei da Suécia? Porquê o deslumbramento?

CC – O mar é sempre o mar! E depois os marinheiros! Há uma frase deslumbrante duma canção dos Procol Harum que é assim – How far can sailors fly? E uma pessoa pode imaginar o que quiser a partir dum navio como este, belo, belo, cheio de estátuas magníficas e coloridas, imponente, gigantesco e eu pequena, muito pequena a querer vê-lo navegar, a ele e aos seus marinheiros mais a vida lá por dentro desse navio, a entrega total ao mar mistério e mesmo indo para a guerra, como era o caso, havia uma fantasia tão grande, mas tão grande que por vezes obrigava os homens a sonhar sem mesmo se aperceberem da aventura em que se iam meter.

HV – Acha que “O Gato de Uppsala” é uma história de amor?

CC – Acho. O Gato de Uppsala é uma história de amor. De amor e por amor aos homens e, como já disse mais atrás, de amor à Natureza. Mesmo a morte do velho Anders é uma cena de amor. É uma morte limpa e natural que causa uma dor também natural e aceitável.

HV – “Nocturno” também partiu de uma paixão, neste caso pelo compositor Fryderyc Chopin. Como foi esse enamoramento?

CC – Fryderyk é realmente uma paixão. Se o tivesse conhecido, provavelmente, seria uma paixão de pouca duração, como são todas, aliás. Mas como, felizmente, não o conheci, posso aguentar com esta carga de admiração e de transcendência por muito, muito tempo. É uma carga pesada porque é absorvente, porque, se eu quiser, posso conversar com ele através da sua música, diariamente; porque, ao ouvi-lo naqueles seus “crescendos” pianísticos inacreditáveis, também eu atinjo os picos mais inacessíveis e isso, para mim é bom. Porque Fryderyk me permite levantar voo tal como os corvos levantavam voo rente à sua janela, lá na praça onde ele vivia, em Varsóvia.

HV – Porque começou “Nocturno” pela morte do compositor?

CC – A morte é sempre um bom começo. Imagino eu. Gosto daquele quadro romântico em que estão uma data de mulheres rojadas pelo chão a chorar, umas em cima das outras; a condessa Delfina Potocka a tocar piano e a cantar docemente, baixinho, com um belo vestido de seda amarelada e umas madeixas de cabelo sedoso a escorregar pelas costas enquanto Fryderyk agoniza com o rosto húmido da transpiração e pelas lágrimas de sua irmã, Ludwicka. Esse quadro é muito bonito. Foi ele que me deu o mote para começar este romance pelo fim.

HV – Porque lhe chamou “Nocturno” e não mazurka, valsa, polonaise, impromptu?

CC – O nome Nocturno está mais de acordo comigo e com ele, Fryderyk. Tudo o que se passou de melhor na vida dele e na minha, foi de noite ou quase de noite. Além disso, Nocturno é um título que se identifica imediatamente com Chopin, não é? Se chamasse ao livro Mazurka, o romance de Chopin ou Polonaise, o romance de Chopin era muito mais forçado e até feio. Tenho que dizer que foram os meus editores que escolheram este nome – Nocturno, o romance de Chopin que eu aprovei imediatamente e aplaudi.

HV – O que a atrai mais em Chopin? O seu génio musical? A sua fragilidade? A sua curiosidade pelo mundo? A vida que levou? A sua entourage – alguns dos melhores cérebros da sua época – o facto de ter sido um exilado?

CC – O que me atrai mais em Chopin é o seu estado indefinido, ou seja, a sua permanente ambiguidade que lhe permitiu ter uma vida incrível, apesar da doença que tão cedo se manifestou e lhe modificou o carácter. Mas Fryderyk era muito feminino – é o que eu sinto, não sei se era – e tudo isso conjugado, a paixão pela música, pela sua terra natal, por Tytus Wojciechowski, por algumas mulheres e a que eu mais gosto é Konstancja Gladowska e a que eu gosto menos é George Sand, os seus lindos olhos de veludo cor de folha caída no Outono, as suas mãos magras de dedos longilíneos, até a sua tosse encantadora – como dizia a Potocka – tudo em Fryderyk Chopin me atrairia se o tivesse conhecido, o que não aconteceu pessoalmente.

HV – Colocou Chopin entre mulheres – e alguns homens. Mas as mulheres têm um papel principal. É extremamente parcial na sua visão destas mulheres – George Sand é vista como uma megera. O que nos pode dizer de Maria Wodziński, Delfina Potocka, da sua irmã Ludwika Jędrzejewicz?

CC – Aparentemente as mulheres tiveram um papel principal, sim! Aparentemente. Se ele tivesse vivido nos dias de hoje, talvez tudo tivesse sido diferente, mais natural, mais aceitável, mais compreensível por parte do público, dos seus amigos, até da família. Olhe, comigo, era de certeza! Amá-lo-ia ainda mais! Porque iria compreendê-lo totalmente e sem véus. Ele, nas suas composições literário/musicais, nos Nocturnos especialmente e nos dois Concertos para piano e orquestra, deu tudo o que tinha, deu tudo da sua alma e do seu espírito da mesma maneira que eu dei tudo de mim quando escrevi sobre ele. O seu corpo palpável só vibrava porque tocava. Tudo o resto se passava noutras zonas do incompreensível. Maria Wodzinska foi um encantamento de Verão, um encontro termal daqueles que limpam o coração, um refrescante banho mineral. Foi a seu propósito que ele escreveu o seu primeiro Nocturno, numa certa noite de Agosto em que o luar lhe preencheu, decerto, a vontade. Com Delfina Potocka nunca houve nenhum arrebatamento especial embora ela fosse muito bonita e muito talentosa. Com Sand, foi o que foi. Não vou agora estar a contar a história com Sand, não é? Com Konstancja Gladowska existiu, realmente, um verdadeiro arrebatamento físico e sentimental. Ela era muito bonita, muito inteligente e gostava muito dele. Com Ludwicka, sua irmã, era um amor sanguíneo. Ela adorava-o e ele a ela e ela esteve sempre presente quando foi necessário, quando ele era pequenino e se sentava ao piano, ela lá estava a colocar-lhe as mãozinhas sobre as teclas. Foi ela que o assistiu na morte, que transportou o seu coração contido numa urna de cristal e mergulhado em conhaque, protegido de encontro ao seu peito até Varsóvia onde ainda hoje se encontra encerrado numa coluna da Igreja de Santa Cruz. Ainda existiu uma outra mulher na sua vida, a escocesa Jane Stirling que o amou incondicionalmente. Este amor nunca foi retribuído. Mas de quem ele nunca, nunca se esqueceu e quem sempre invocou em todos os momentos da sua vida, foi Tytus. O longínquo Tytus Wojciechowski.

HV – Qual a sua opinião em relação ao facto de as mulheres terem tido uma importância decisiva no trabalho de Chopin? Ou teria ele feito o mesmo, sido o mesmo, sem elas?

CC – Não sei se as mulheres tiveram uma importância tal no trabalho de Chopin! Acho que ele teria feito exactamente o mesmo com elas ou sem elas. Da mesma maneira que todos nós fazemos o queremos fazer independentemente de estarmos apaixonados ou não. Ou será que somos mais criativos, mais exaltados, mais inspirados pelo facto de estarmos ou andarmos em estado de paixão? Acho que isso depende mesmo de cada um. Também há quem diga que a criatividade é melhor e dá mais frutos com um bom copo de vinho tinto ou com três maços de cigarros. O que eu quero dizer é que há pessoas que só por si atingem o Nirvana com a maior das facilidades sem precisar de mulheres ou homens ou vinho ou seja o que for. O seu eu é mais que suficiente. E criam! Chopin era de tal modo intenso e interiorizado que, tenho a certeza, se vivesse sozinho no mundo, compunha na mesma.

HV – O seu estilo em “Nocturno” é intenso e intimista, envolvente e arrebatado? Sente uma ligação especial em relação a Chopin?

CC – Sim. Sinto essa relação muito intensa com Chopin. Enquanto escrevi este romance, enquanto pesquisei material para o compor, interiorizei de tal modo a figura dele, a sua essência, que ainda hoje penso nele diariamente como quando estava a escrever. Foi, de facto, um conhecimento da personagem muito prolongado e muito feliz.

HV – A Polónia, país natal de Chopin, deu uma enorme importância a “Nocturno”, o seu livro, neste ano de centenário. O que tem sido feito em França, pátria de adopção do compositor?

CC – O que tem sido feito em França? Que eu saiba, nada. Mas alguém me conhece em França tirando uns parentes e amigos que lá tenho?
Então:

HV – Chopin foi um Romântico por excelência. O Romantismo como corrente artística e do pensamento, atrai-a?

CC – O Romantismo, enquanto expressão diferente da corrente racionalista, para mim é interessante, sim! Mas apenas isso. Interessante. Tem algo, para mim, de irritante que só em situações de emergência é que se pode aturar. Mas reconheço que deu ao mundo para a eternidade obras lindíssimas, poéticas em todas as artes.

HV – Costuma mostrar a primeira versão dos seus livros a alguém? Gosta de saber as opiniões de outras pessoas?

CC – A minha primeira versão é a última. Como dizia Victor Hugo, emendo é na cabeça. Quando passo ao papel, ou seja, ao computador, já não emendo quase nada. Mostro a uma ou duas pessoas, no máximo. Sim, hoje em dia, mostro a duas pessoas da minha total confiança e amizade. Sei que me corrigem com amor. É isso que eu preciso no final de cada livro, preciso de amor! Acabo-os esgotada mas, estranhamente, a rondar outra história qualquer.

HV – Algum dos seus livros foi fácil de escrever?

CC – Nenhum livro é fácil de escrever. Eu adoro escrever. É uma grande alegria para mim o facto de poder escrever e inventar ou não, histórias. Mas não é fácil. É um processo complexo, solitário e silencioso. É um estranho êxtase, um estranho estado de transe, se assim podemos dizer. Há alturas em que parece que sinto formigas a circular naquele vaivém frenético que só as formigas têm, dentro das minhas veias. Não é tarefa fácil, não!

HV – Como escreve? Toma notas? Cria uma estrutura? Ou vai seguindo a sua “corrente de consciência”?

CC – Nem tomo notas nem crio nenhuma estrutura. É conforme acordo e conforme penso naquilo que fiz na véspera. Costumo fazer assim: num dia escrevo e no dia seguinte observo o que escrevi na véspera e acrescento mais alguma coisa. E assim por diante até ao juízo final!

HV – Quais os escritores (as) que mais a influenciaram? Costuma ler com regularidade?

CC – Quando estou a escrever nunca leio nada a não ser o jornal, ao Sábado e as contas que aparecem na caixa do correio. Oiço música. Muita música. Como, felizmente, vivo nesta época digitaloinformáticointernética, auxilia-me a escrita o Youtube e os meus “fones”. Se estou sozinha em casa ponho a música altíssima, se estou acompanhada ponho os tais “fones” nos ouvidos mas sempre altíssimo. Só assim me alheio completamente da palavra – vida real. Também oiço os meus pássaros de várias espécies que vivem no meu jardim, em liberdade, evidentemente. Gosto do piar do mocho e da coruja. Tenho uma grande coruja branca a viver no ramo mais alto dum salgueiro que há aqui em casa. Tenho esta sorte! Uma sorte! Quando não estou a escrever, leio o que me apetece, normalmente releio obras que me preenchem totalmente, sendo que já li os mesmos livros dúzias de vezes. E é sempre um deslumbramento diferente. É como a música. No mesmo dia posso ouvir a mesma música cem vezes seguidas sem nunca me fartar e os pensamentos que tenho são sempre diferentes. Os escritores que mais me influenciaram? Sem nenhuma ordem, Selma Lagerlof, Julio Cortazar, Truman Capote, Karen Blixen, Edith Wharton, Walt Withman, Yeats, Boris Vian, Gabriel G. Marques, todos os escritores nórdicos sem excepção e quase todos os sul-americanos. Ingleses também. Mas mais, mais, mais Par Lagerkvist, Selma Lagerlof, Truman Capote.

HV – Qual a sua relação com a literatura portuguesa? Sente-se uma outsider? Com que autores portugueses se identifica mais?

CC – Para falar a verdade, não vou responder a essa pergunta. Somos todos outsiders quando nos encontramos a sós, connosco, não é? Ah! Eu sou o melhor! Ah! Eu sou a melhor! Ah! Sou tão diferente! E, de certo modo, não faz mal pensar isso! Mas a auto censura é absolutamente necessária e às vezes fazemo-la com tanta dificuldade, com tanto orgulho, tanta altivez! A única coisa que eu tenho a certeza absoluta é que é necessária humildade, muita humildade. Há sempre muito melhor do que nós, embora essa ideia custe a admitir. Mas há! Realmente, não me identifico com ninguém nem português nem estrangeiro. Sou eu e a minha voz. És tu e a tua voz. Acabei por responder à pergunta…

HV – O que mais gosta de fazer, na vida?

CC – Há muitas coisas que gosto de fazer na vida. Muitas! Já vivi bastante, já conheci muitas, centenas de pessoas, posso até dizer milhares de pessoas com quem falei durante a minha actividade profissional, já visitei muitos países, já escrevi livros, já tive filhos, já plantei árvores, tudo isso, esses clássicos todos e outras coisas menos canónicas, mais estranhas. Todas as pessoas, toda a gente carrega consigo segredos ou seus, ou de outros e alguns são inacreditáveis. O ser humano é absolutamente inacreditável, invulgar, estranho, difícil, empolgante, bom e mau, belo e feio, alegre e triste. O ser humano é a fonte, é a luz! Gosto de ser humana! É que podia ser um bicho, um verme, um insecto, um réptil, uma erva, uma pedra, uma gota de água, uma montanha, um vulcão, um furacão, uma ameaça da natureza mas não! Sou um ser humano com tudo o que de mistério ele encerra. Com tudo o que posso dar e que é a minha própria luz. Poderão dizer, quem ler esta entrevista, – mas tu, humana, és a maior ameaça da Natureza!
Sim, respondo eu. Sou. Mas também sou a única capaz de a compreender e de a amar e de me sentar numa pedra, ao fim do dia, cruzar os braços no colo e deixar-me olhar, olhar para a fina fita do horizonte tentando compreendê-la no seu todo incompreensível. Nunca chegaremos lá, mas somos os únicos que tentamos alcançá-la, a Natureza, porque todos os outros, já lá estão.

HV – Quais os seus próximos projectos?

CC – Os meus projectos são alguns, são. Escrever ao ritmo que estou a escrever. Para o próximo ano, 2011, espero que saiam mais dois livros, um que estou a escrever e que vou acabar em Setembro e um outro que escrevi em 2008. Tenho muitas histórias na cabeça, muitas mais.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s